Arquivo

Arquivo da Categoria ‘IDS’

O que saber sobre tecnologia antes de montar varejo online.

8, agosto, 2013 Sem comentários
Por Robson Dantas (*)
Nem todos os varejos de loja física funcionam no virtual, e vice-versa, ir para a internet não é garantia de sucesso.

Nem todos os varejos de loja física funcionam no virtual, e vice-versa, ir para a internet não é garantia de sucesso.

As novas regras que entraram em vigor no primeiro semestre de 2013 são mais um alerta para os empreendedores sobre cuidados para iniciar o processo de compra e venda pela internet. Saiba como se preparar para montar um e-commerce a partir de algumas dicas de Robson Dantas, CTO da Vale Presente – empresa que fornece tecnologia para a venda de vale-presentes por meio de e-commerce, f-commerce e m-commerce para mais de 150 redes varejistas, entre eles Walmart, NetShoes e FastShop:

1 – Nova legislação: Estude a nova legislação sobre os cinco grandes temas vinculados: produto, fornecedor, atendimento ao consumidor, direito de arrependimento e compras coletivas.

2 – E-commerce é diferente de varejo físico: Nem todos os varejos de loja física funcionam no virtual, e vice-versa. Ir para a internet não é garantia de sucesso, é preciso fazer a analise das operações de compra, logística, entrega, devolução de produtos, meios de pagamento, fraudes, etc.

3 – Planejamento e elaboração da estratégia de negócio: Essa etapa deve contemplar a definição do que vender, quais são os concorrentes no mercado, o público-alvo que pretende atingir e a forma de comercialização. E só depois vem a escolha da plataforma e-commerce.

4 – Poder de decisão da compra: Investimento em uma boa plataforma, layout, atendimento, formas de pagamento, eficiência na entrega e segurança na compra são alguns passos para o sucesso e aí entra a diferença de vender pela internet. No meio virtual o consumidor conta com um arsenal grande de informação para decidir e comparar.

5 – Escolha da plataforma de e-commerce: A escolha deve ser por uma que seja capaz de suportar o negócio, e que ofereça, entre os diversos aspectos, conexão com o ERP existente; capacidade de gerir de forma eficaz os produtos, catálogos, campanhas e frete; sistema de tracking que permita troca de informações em tempo real com os clientes; gestão e inteligência de vendas; segurança; e gestão de recebíveis (cartão de crédito, boleto, transferência online, etc);

6 – Segurança: Gerenciar uma operação exige muito controle e segurança contra fraudes, investir em segurança das operações é fundamental.

(*) CTO da Vale Presente – empresa que fornece tecnologia para a venda de vale-presentes por meio de e-commerce, f-commerce e m-commerce para mais de 150 redes varejistas, entre eles Walmart, NetShoes e FastShop.


Quanto ao requisito segurança, muitos pontos devem ser levados em consideração, por isso a Netrunner Tecnologia tem alguns produtos que auxiliam nesse aspecto, são eles:

WatchGuard XTM – É um appliance de segurança de redes, que pode ser físico ou virtual, que além das opções naturais de um firewall, conta com um pacote de software totalmente voltado a segurança, evitando assim que a sua rede seja comprometida.

BRToken – É uma solução de autenticação forte, o SafeCore Server combinado ao SafeSignature fornece a mesma segurança que os grandes bancos possuem, por um preço acessível até aos pequenos negócios.

SEP Sesam – Solução de backup completa, rápida e segura, que atende a diversos sistemas operacionais, aplicações e virtualizadores. Permite unificar todos os backups em uma única ferramenta.

Security Manager Plus – Desenvolvido pela ManageEngine, é um scanner de segurança de rede, que permite a detecção de vulnerabiliades e ajuda a corrigi-las, tudo isso dentro das normas do mercado.

Todos esses produtos auxiliam na aderência ao PCI DSS, que é essencial para transações financeiras digitais.

Mais informações: www.netrunner.com.br/parceiros.aspx

Fonte: Blog IT Portal

Cuidado com os mitos de segurança dos aplicativos web.

29, julho, 2013 Sem comentários

Minimizar alguns riscos pode dar falsa sensação de segurança, levando as empresas a baixar a guarda para ameaças quase eminentes.

Sua aplicação web está realmente protegida ?

Sua aplicação web está realmente protegida ?

Muitos mitos e mesmo distorções povoam o, digamos, imaginário corporativo sobre a segurança na internet, aumentando a incidência de vulnerabilidades e reduzindo as defesas contra ataques. Isto porque os mitos tendem a minimizar os riscos; dar uma falsa sensação de segurança, seja por meio de alguma nova tecnologia “milagrosa” ou pela ausência de visibilidade dos problemas, levando as empresas a baixar a guarda para ameaças quase eminentes.

Como é bastante óbvio, a internet se tornou o principal ponto de convergência dos sistemas corporativos, integrando transações com parceiros, fornecedores, clientes e investidores em um mesmo canal eletrônico. Segundo o site da Pingdom, os usuários de internet no mundo todo somaram 2,4 bi, em 2012. Por aqui, o número de usuários ativos, segundo a pesquisa da Net Insight, estudo sobre internet do IBOPE Media, era de 50 milhões, em dezembro deste mesmo ano.

Com tantos usuários utilizando sistemas de informação em rede pública, a segurança para aplicativos web se consolidou de vez como um dos principais itens na agenda dos gestores de segurança da informação. Considerando ainda a atual complexidade dos sistemas de TI, incluindo a disseminação da computação distribuída em nuvem, “big data”, composição de serviços distribuídos e a necessidade da implantação da governança corporativa, faz-se cada vez mais necessário eliminar os mitos que contribuem negativamente para o sucesso da proteção dos aplicativos.

Enumeramos os seis mitos mais recorrentes que fragilizam o elo de percepção de segurança e os descrevemos a seguir.

1. O desenvolvedor sempre me proverá sistemas seguros.

Qualquer aplicativo web, do mais simples serviço de bate-papo a um complexo pacote de gestão de recursos corporativos, passa necessariamente pelas fases de desenvolvimento e manutenção. Nestas fases, as atividades de criação e alteração de código-fonte priorizam requisitos funcionais e o desempenho do aplicativo. É um mito achar que os desenvolvedores poderiam estar vertendo todo o seu tempo para produzir trechos de código livres de falhas de segurança. Muitas brechas seriam resolvidas se o aplicativo web fosse testado adequadamente durante estas fases, ou antes de ser colocado em produção.

2. Apenas especialistas sabem explorar vulnerabilidades da Aplicação Web.

Com a ampla oferta de sites que publicam ferramentas abertas para testar vulnerabilidades, qualquer usuário com um computador conectado à Internet pode ser um potencial vetor de ameaças. Os ataques de hoje exigem menos conhecimento técnico e tem parte de sua complexidade ocultada por ferramentas sofisticadas que executam automaticamente passo a passo as instruções para explorar uma falha de segurança. Achar que você está protegido pela obscuridade ou falta de conhecimento da vulnerabilidade é um grave erro.

3. Falhas em aplicações internas não são tão importantes.

Em um recente estudo conduzido pela Universidade Carnegie-Mellow em conjunto com o Departamento de Segurança Interna dos EUA, pesquisadores detectaram que ataques internos são os mais bem sucedidos no segmento financeiro. Na maioria dos casos estudados, o tempo para a detecção inicial de fraudes internas supera 32 meses. Isso significa que o excesso de confiança no ambiente interno acostuma as pessoas a serem menos conscientes; as aplicações são desenvolvidas de maneira menos seguras, seja pelo uso de controles inadequados ou pela falta de interesse em eliminar vulnerabilidades. Lembrem-se, os aplicativos internos são aqueles que armazenam os dados mais preciosos do negócio, estando mais suscetíveis a funcionários descontentes, prestadores de serviço ou até mesmo criminosos infiltrados.

5. O Firewall nos protege de todos os ataques externos.

Mesmo tendo alcançado a maturidade comercial desde o final dos anos 90, os firewalls não estão prevenindo o aumento das estatísticas de ataques em todo o mundo. Obviamente alguma coisa está errada nesta estratégia de defesa. As tecnologias de proteção perimetral são essenciais para qualquer estratégia de gestão de segurança, afinal, são a base de sustentação do plano de defesa em camadas. Por outro lado, os ataques estão cada vez mais direcionados às funcionalidades de negócio, disfarçados em transações legítimas que tem por objetivo final explorar uma determinada vulnerabilidade no aplicativo. Trata-se, portanto, de mais um mito amplamente difundido nas corporações.

5. Selos de “percepção” de segurança não blindam o seu site.

Apesar dos selos de segurança terem tido o papel de introduzir a discussão de proteção dos aplicativos web em todas as camadas de negócio da empresa, eles têm sido frequentemente utilizados para substituir um trabalho mais profundo na correção de vulnerabilidades das aplicações. Os selos de “blindagem” contra ataques acabam tendo o mesmo efeito de um aviso de “cão antissocial” na porta da sua casa. O mito deve ser combatido com um trabalho de acompanhamento do ciclo de vida dos aplicativos, incluindo testes de segurança periódicos nas funcionalidades de negócio, de maneira a produzir efeitos satisfatórios de proteção para suas aplicações web.

6. Meu website é seguro porque utiliza SSL e Criptografia de Dados.

Este mito é um dos mais frequentes nas áreas de negócio das empresas. Utilizar criptografia de dados, SSL ou o tal “cadeado de segurança” no navegador só assegura que os dados sejam transmitidos do aplicativo para o navegador web com baixo risco de serem interceptados. O verdadeiro foco de problemas está naquilo que o aplicativo ou usuário faz com os dados após eles terem sido transmitidos e, para se proteger deste risco, o “cadeado” é completamente inócuo. Da mesma forma que o mito anterior, a única maneira eficaz de proteger o seu aplicativo web é antecipar a detecção e correção de vulnerabilidades antes que algum usuário mal intencionado resolva tomar proveito delas.

Conhecer os principais mitos de segurança e entender o impacto de ignorá-los já são ferramentas bastante eficientes para prevenção de ataques nos aplicativos web. Por meio delas, adota-se uma atitude mais proativa e menos reativa, aliando tecnologia e metodologia para proteger estes sistemas. E ter em mente que segurança da informação é um estado transitório, que só pode ser garantido pela continuidade de processos e atividades que visam manter os níveis adequados de proteção, seja para um pequeno negócio ou para uma grande corporação.


É claro que um sistema 100% seguro é quase um mito, pois sempre haverá uma brecha a ser descoberta, portanto, devemos prevenir o máximo possível, e para isso a Netrunner Tecnologia conta com alguns parceiros nessa empreitada.

A ManageEngine possui 3 produtos que auxiliam a tarefa dos administradores e analistas de segurança, são eles:

Eventlog Analyzer – É uma poderosa ferramenta de análise, armazenamento e relatório para diversos servidores, aplicações e dispositivos. A análise de logs é uma tarefa impossível sem auxílio de uma ferramenta como esta, pois ela automatiza diversos processos de análise e permite criar alertas de acordo com regras pré-definidas.

Firewall Analyzer – Assim como o Evetlog Analyzer, que analisa logs de dispositivos, o Firewall Analyzer é especializado em firewalls, isso permite uma visão mais profunda nos eventos que estão ocorrendo na borda da rede. Além de analisar e criar relatórios, ele permite que sejam enviados os arquivos de regras dos firewalls e sejam gerados relatórios de conformidade de segurança.

Security Manager Plus – É uma ferramenta que vasculha a rede em busca de vulnerabilidades, inventaria os dispositivos, verifica portas abertas, verifica se os servidores estão atualizados, e conta com um banco de dados rico em brechas conhecidas.

Como dito anteriormente, um firewall simplesmente não garante a segurança de uma aplicação, por este motivo, a Netrunner Tecnologia oferece a família XTM da WatchGuard para proteger a borda do seu ambiente. São appliances (físico e virtual) que além das tarefas comuns de um firewall ainda conta com funcionalidades de segurança poderosas, e o mais importante, um Proxy HTTP/HTTPS com IPS que protege os servidores web de ameaças.

Fonte: Blog Rede Segura

Mais informações:

– ManageEngine: www.netrunner.com.br/parceiros_manageengine.aspx

– WatchGuard: www.netrunner.com.br/parceiros_watchguard.aspx

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux