Arquivo

Textos com Etiquetas ‘ti’

Os planetas se alinham. Mas a TI alinhada aos negócios, nem sempre.

8, setembro, 2010 Sem comentários

Já nos acostumamos a ouvir esta frase: “alinhar TI aos negócios”. Para muita gente isso pode parecer estranho e muitos perguntam: o que exatamente a TI tem a ver com os negócios? Quando se fala em alinhamento de TI, a coisa complica.

Esta é uma questão muito interessante, porém em muitos casos é mais fácil ocorrer o “alinhamento dos Planetas” do que a empresa alinhar as tecnologias ao negócio. Por que os planetas citados neste assunto? Porque sabemos que eles se alinham, mesmo que isto demore um pouco para acontecer.

Na verdade, a TI oferece inúmeros recursos para auxiliar os processos de negócios das empresas, para que elas alcancem os lucros e se destaquem na competitividade. Mas, muitas companhias que se dizem prontas para isso ou buscam fazer o tal alinhamento dos negócios à IT – ou da TI aos negócios-, acabam, no final das contas desalinhando o que já existe e acabam estragando um trabalho que por muitas vezes foi fruto de meses ou anos de trabalho (‘brigas’ e discussões entre outros recursos disponíveis).

Por sua vez, aquelas que visam o planejamento de negócio alinhado à TI em muitos casos acabam esquecendo do sentido real do verbo “planejar” e fazem um “fast planning” utilizando as tecnologias e metodologias disponíveis, como o gerenciamento de projeto eólico, onde é muito utilizado o Dedo Indicador para definir prazos e valores, além da utilização de planilhas eletrônicas como apoio, entre outros recursos mirabolantes. A isso tudo eu costumo chamar de “boas práticas de como não se deve fazer”. Para casos como este costumo utilizar uma frase de um amigo da época da faculdade: “Se não sabe, deixe para quem sabe”.

Então, vamos separar o título desse artigo para fazer uma análise mais apurada

Alinhar TI aos Negócios

Por essa visão, pensaremos em alinhar os recursos de TI ao que temos de negócio, utilizando soluções que ofereçam o suporte necessário para o funcionamento e continuidade das atividades indústrias, comerciais e de serviços que compõem o negócio.

Aqui, utilizamos TI como provedora de soluções e responsável por manter o negócio 100% em funcionamento (podemos chamar isto de business continuity). Assim, a turma de TI (muitas empresas não possuem este pessoal em sua estrutura ou nem tem esta área terceirizada) precisa implantar soluções de gestão, segurança, monitoramento, recuperação de desastres e tudo mais que for necessário para manter o negócio em funcionamento.

Planejar seu Negócio alinhado à TI

No caso de se planejar o negócio alinhado à TI, a coisa muda. E bastante. Nesta abordagem não utilizaremos a Tecnologia da Informação apenas como provedora de soluções, mas também como parte do processo do Planejamento Estratégico, que está ligado a diversas variáveis, desde o objetivo, meta, até a participação de cada colaborador no desenvolvimento do negócio.

Unindo os planejamentos estratégicos e o de TI, pode-se encontrar a melhor maneira de organizar a empresa, não só pela necessidade, mas sim como um todo.

Muitos administradores gostam de definir metas, mas sem o envolvimento da TI. Em alguns casos até podem ser alcançados, caso a metodologia eólica funcione, mas neste caso é comum definir as metas sem ferramentas que ajudem na decisão. Aí, acaba entrando outra variante: “vamos torcer para tudo dar certo”.

Agora, a turma que tira proveito da Tecnologia da Informação, além de utilizar dos recursos necessários para se obter o melhor e mais seguro dos caminhos para definir as metas, objetivos e direção que a empresa deve seguir, também conta com a tão conhecida “busca por soluções inovadoras por parte dos especialistas de TI”, o que torna crucial o alinhamento dos planejamentos para ajudar as empresas a se destacarem e continuarem no mercado com mais solidez.

Durante estes anos de estrada na área de TI, ajudando empresas na busca por melhorar seus processos, encontramos desde pequenas empresas que possuem bem definido o que querem e para onde querem ir, além de saber como fazer isso e ter bem claro qual será o esforço necessário para isso. Isto acontece, creditem, até em grandes empresas, com algumas delas sem qualquer processo definido, estando totalmente perdida pelo caminho a ponto de não possuírem um departamento de TI.

Em muitas empresas a equipe de TI é responsável apenas pelo Help Desk, ou seja, apenas realiza as tarefas de configurar e-mail, trocar mouse e teclado, entre outras tarefas nada relacionadas com tomada de decisão e com o futuro do negócio. Nestes casos costumamos dizer que temos o departamento de “Help Esqueci”. Em empresas que possuem um “departamento de TI” que serve apenas para tocar tarefas acima mencionadas, corre-se o risco de se perder não somente o espaço pela competitividade, mas também o espaço geográfico. O foco.

As empresas que valorizam e enxergam a importância da Tecnologia da Informação no processo de planejamento e de decisão, vão mais longe, pois, graças ao investimento realizado em TI consegue obter os resultados planejados.

Na busca pela melhoria contínua dos processos de negócios e se manter em destaque no mercado, estas empresas criam e desenvolvem áreas de INOVAÇÃO alinhadas à tecnologia e não apenas tratam de lidar com as tecnologias que poderão ser utilizadas, mas sim manejam e planejam todas as ações e necessidades de cada área. Com isso conseguem um plano unificado de ação, resultado em uma empresa ativa e viva.

Fonte: Decision Report

Categories: Negógios Tags: ,

Ex-funcionário: risco potencial para TI.

23, Fevereiro, 2010 Sem comentários

As represálias de ex-funcionários contra seus empregadores são o motivo de maior preocupação para 75% dos gerentes de TI. É o que aponta o 12° estudo anual da Ernst & Young sobre Segurança da Informação.

A pesquisa, realizada com 1,9 mil empresários e diretores da área de comunicação de mais de 60 países, inclusive o Brasil, mostra que, dos 75% citados, 42% estão trabalhando para entender melhor os potenciais riscos que esta situação traz e 26% já estão tomando atitudes que possam minimizar a ameaça.

Apenas 7% disseram que o risco existia, mas medidas já foram tomadas e o risco foi mitigado, enquanto que 1/3 dos entrevistados afirmou estar “muito preocupado” com essa questão.

Além disso, 44% dos entrevistados disseram ter um sistema de gestão de segurança da informação ou estar implementando um, enquanto 32% estão avaliando a possibilidade de adotar uma solução dessa natureza.

Quando questionadoss como a gestão de riscos vem sendo tratada pelas empresas, 50% responderam que estão gastando mais verbas, enquanto 39% estão gastando o mesmo. Apenas 5% gastaram menos verba no setor, sendo que 6% não responderam.

Das empresas entrevistadas, 41% notaram um aumento nos ataques externos em seus sistemas, e 25% observaram aumento nos ataques internos – aqueles provocados por seus próprios funcionários, como abuso de privilégios e roubo e venda de informação.

No entanto a maior percentagem é ainda de empresas que não viram alterações nos números de ataques, 44%.

No Brasil, a tendência é similar à observada no restante do mundo: os respondentes brasileiros destacaram aumento das ameaças, sejam elas de origem externa (ataques aos sites, phishing) e ou interna (roubo de dados, abuso de privilégios, etc).

Devido ao aumento da ocorrência de vazamento de dados, a proteção de implementar ou aprimorar tecnologias nesse sentido é a segunda maior prioridade nos próximos 12 meses, destacada por 40% dos respondentes como um dos três temas centrais.

De acordo com a consultoria, um dos dados mais interessantes da pequisa se refere ao fato de que poucas companhias estão criptografando dados dos laptops: apenas 41%.

A pesquisa completa está disponível no link relacionado abaixo.

– Ernest e Young

Fonte: Site Baguete

Categories: Segurança Tags: , ,

A crise é para quem quer.

21, outubro, 2009 2 comentários

A crise é uma oportunidade para a TI, muitas empresas estão aprendendo a investir com a crise.

O planejamento na área de TI é fundamental, pois a grande maioria dos projetos de investimentos em TI mal planejados resultam em grandes custos, porem com pouco retorno do investimento.

Grande parte das empresas opta por soluções caras, que se colocadas na ponta do lápis, não vão atingir o investimento feito, gerando custos.

A fase de planejamento é essencial, pois as próximas etapas serão baseadas nele. Uma vez mal planejado acarretara em problemas na execução, o que resultara em um novo planejamento. Uma boa analise inicial é fundamental para o sucesso do projeto.

Se por um lado um planejamento mal feito implica em altos custos, já um planejamento bem feito, com todos os pontos bem definidos, equipes alinhadas e emprenhadas, esse projeto alem de ser bem sucedido, com retorno de investimento.

Uma boa pratica de planejamento é revisar os planos anuais de empresas a cada seis meses, com quadros diferentes, desde o otimista até o pessimista.

Costumo basear os planejamentos no ciclo PDCA de Deming, onde temos:

  • Plan (planejamento) :onde estabelecemos a missão, visão, metas, procedimentos e processos necessárias para atingir os resultados.
  • Do (execução) : realizar, executar as atividades.
  • Check (verificação) : monitorar e avaliar periodicamente os resultados, avaliar processos e resultados, confrontando-os com o planejado, objetivos, especificações e estado desejado, consolidando as informações, eventualmente confeccionando relatórios.
  • Act (ação) : Agir de acordo com o avaliado e de acordo com os relatórios, eventualmente determinar e confeccionar novos planos de ação, de forma a melhorar a qualidade, eficiência e eficácia , aprimorando a execução e corrigindo eventuais falhas

A frase “O barato sempre caro” não vale apenas para eletrodomésticos ou outros bens de consumo, quem opta por fazer planejamentos baratos, sem analisar pontos importantes do projeto, calcular o investimento necessário e em quanto tempo esse investimento dará retorno, está sujeito a colher frutos ruins, perdendo dinheiro.

Quais são os desafios em época de crise?

Não vejo com um desafio, mas sim um alerta para aqueles que não estão dando muita atenção ao planejamento. Empresas que possuem um alto investimento em planejamento não estão participando dessa crise, essas estão crescendo acima dos 30%, estão aproveitando a oportunidade que a crise gerou.

Desenvolvendo projetos não para cortar custos, mas sim para investir melhor o seu dinheiro.

O tempo de empresas em que a TI é vista como custo, está com os dias contados, pois hoje é essencial o alinhamento TI aos negócios da empresa. Hoje a empresa depende do alinhamento de TI com os serviços que essa oferece, para se destacar entre as outras e obter vantagem no mercado.

Fonte: Site Pastelaria Digital

Acesso remoto é chave para 91% dos gestores

20, outubro, 2009 Sem comentários

A capacidade de se conectar com os dispositivos dos usuários remotos é um investimento chave em TI para 91% dos gestores de TI participaram do estudo “Suporte para Funcionários Remotos e Móveis”, realizado pela Forrester.

A consultoria atesta que metade das empresas norte-americanas e européias utiliza mais de um sistema operacional móvel, enquanto 46% das companhias estão agora usando equipamentos próprios

“Existe a necessidade não somente de segmentar os usuários e entender suas necessidade de suporte, mas também a necessidade de implementar políticas e procedimentos de apoio a estes usuários e seus dispositivos”, afirma o relatório que está disponível para download no link relacionado abaixo. 

– Forrester

Fonte: Site Baguete

Categories: Negógios Tags: , ,
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux