Arquivo

Arquivo da Categoria ‘Backup’

Privacidade de dados na internet.

12, agosto, 2013 Sem comentários
Por Emerson Henrique (*)

A internet é um meio público e não foi projetada para garantir confidencialidade. Existem métodos, como criptografia de dados e sistemas de contenção sobre a invasão e vazamento de informações, mas uma vez que uma mensagem esteja navegando na rede, ela é passível de interceptação e deciframento, a altos custos, mas possível.

Cabe aos usuários dessa rede buscarem informações sobre como se protegerem dos olhares invasivos, e mais ainda, cabe ao governo repensar sobre suas comunicações e como agir para orientar a população sobre os riscos que todos estão expostos— devem ser ações de segurança pública na era digital.

A espionagem que conhecemos não é tão elegante e charmosa como no cinema.

A espionagem que conhecemos não é tão elegante e charmosa como no cinema.

Pensar em sistemas de muralhas eletrônicas, como já ocorre na China e no Vietnã não é solução definitivamente, pois toda muralha pode ter um dos seus tijolos retirados, a qualquer momento – basta ferramenta adequada.

A divulgação do programa americano de vigilância eletrônica, feita pelo ex-técnico da CIA, Edward Snowden, trouxe à discussão diversas questões sobre a segurança e privacidade na internet, gerando o efeito imediato de desconforto entre governos, instituições e o público em geral, fomentado por polêmicas acerca de quão “protegidas” estão as informações que trafegam pela grande rede.

Em agosto de 2007, o ex-presidente George W Bush, assinou o Ato de Proteção da América (PAA), que oferece ao sistema de inteligência americano o suporte necessário para uso de ferramentas de aquisição de informações relevantes sobre ações terroristas.
Entre essas ferramentas, nasceu o programa PRISM, que foi exposto pelas revelações de Snowden ao jornal britânico “The Guardian”, em junho deste ano.

O PRISM, em operação desde 2007, é um programa de vigilância digital, mantido pela NSA (National Security Agency), e construído para fazer o monitoramento das atividades que circulam pela rede de internet em território americano. As informações são coletadas de diferentes mídias e com sofisticada tecnologia de mineração de dados, dado um alvo de busca.

Além disso, a NSA tem acesso irrestrito aos servidores (computadores) e centros de dados de grandes companhias de tecnologia americanas, como a Google, Microsoft, Facebook, Skype, entre outras, que produzem softwares e serviços largamente utilizados pela comunidade mundial.

Se isso não fosse suficiente, todo o tráfego de internet que circula naquele país é copiado para laboratórios da NSA, o que possibilita que as mensagens em trânsito estejam passíveis de observação e análise.

Por trás há uma complexa e forte estrutura de computadores capazes de processar tudo isso. O governo americano, no momento, não está preocupado se alguém publica algum material pornográfico, mas está atento a coisas como “receitas de bomba caseira”. E quem pode ser monitorado? Qualquer um que utilize a rede de internet e que realize alguma transação envolvendo servidores ou serviços disponíveis em solo americano.

O que assusta é a granularidade dos dados que o PRISM opera: conversas por vídeo e áudio, fotografias, arquivos de e-mail, conversas telefônicas, movimentos pelas redes sociais, salas de bate-papo, enfim – praticamente tudo o que passa pela rede – não importando se os atores são cidadãos americanos ou não.

A internet, como diz seu próprio nome, é internacional por natureza e sendo assim, é quase impossível não ficar exposto ao programa. Enviar ou receber mensagem de e-mail pelo popular Gmail (ou outros) basta para estar à visão do Big Brother da NSA.

E de fato, a própria engenharia da internet obriga que certos fluxos de algumas comunicações passem pelos EUA. Por exemplo, ao se digitar um nome de domínio como www.brasil.gov.br, é necessária a tradução desse para um endereço de rede conhecido por IP Address (endereço do protocolo internet).

O processo de resolução do nome para um número depende de servidores de nomes, formando uma base distribuída de informações em nível mundial, sendo isso um componente crucial para funcionamento da própria rede.

Os servidores raiz desse sistema atualmente são 13, sendo dez deles presentes nos Estados Unidos, dois na Europa e um na Ásia. A partir daí se desdobram os serviços de informação que são disponibilizados à pessoa que faz requisição a partir de um computador qualquer integrado a essa rede.

E a dependência da sociedade sobre a internet hoje é algo assombroso e alguns números são suficientes para entender a amplitude disso: segundo o site pingdom.com, que fornece serviços de monitoramento e desempenho da internet, ao final de 2012 a rede era acessada por 2,2 bilhões de usuários, continha 1 bilhão de contas no Facebook e 425 milhões de contas no Gmail.

Diariamente são processados 144 bilhões de e-mails, 5 bilhões de buscas no Google, 2,7 bilhões de cliques na opção “Curtir” do Facebook.

No Brasil, segundo a Febraban, o ano de 2012 foi encerrado com 37,5 bilhões de transações financeiras pelo meio digital, representando 42% do total e superando pela primeira vez os meios tradicionais. Já o total de pessoas com acesso à internet no Brasil, ultrapassou a casa dos 94 milhões no segundo trimestre de 2012, segundo o Ibope.

Os documentos apresentados por Snowden, dizem que o PRISM observa metadados sobre as comunicações. Metadados são dados sobre outros dados e podem ser obtidos por diversas fontes ou arquivos que trafegam pela rede. Por exemplo, ao enviar um e-mail, junto estão metadados como o endereço IP de origem e destino; data, hora e fuso horário; tipo de conteúdo e assunto. Já ao fazer uma ligação de um celular junto seguem o número de quem realiza uma chamada, número de série do telefone e chip, data/hora, duração da chamada e a localização geográfica, que também são metadados.
Numa foto digital, estão a data e hora do registro, resolução da imagem, informações sobre uso do flash e em alguns casos até a localização geográfica. Então se o governo americano estiver olhando apenas para esses metadados, já está sabendo muito sobre aqueles que usam tais recursos.

O governo brasileiro demonstrou algumas reações, como o pedido de explicações aos EUA, que resultou numa conversa telefônica do Vice-presidente dos Estados Unidos com a presidente Dilma Roussef, fazendo convite para o envio de uma comissão àquele país a fim de ouvir o quê eles têm a dizer. Já o Ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, quer o envolvimento da Polícia Federal nas investigações, caso as explicações americanas não sejam satisfatórias.

O Ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, incumbiu a Anatel da missão de questionar as empresas de comunicação do país, para saber se nos seus contratos há alguma cláusula que tenha previsto mecanismos de intercâmbio de informações com empresas norte-americanas, visto que pelas denúncias de Snowden, a NSA teria obtido milhões de informações do Brasil, por meio de convênios com empresas privadas norte-americanas e que teriam contratos comerciais no Brasil.

Há ainda correntes no governo que querem urgência na aprovação do Marco Civil da internet, uma lei que está em tramitação desde agosto de 2011, e que trata dos direitos, deveres e regulamenta a vida do cidadão digital no Brasil; Cabe lembrar, porém, que qualquer lei que se faça no Brasil, não terá efeito sobre o que ocorre nos Estados Unidos, e assim, o PRISM (e outros) continuarão operando – dentro das leis americanas.

Por fim, a espionagem sempre existiu – é uma natureza dos governos. Sun Tzu em seu livro A Arte da Guerra (século IV a.C) já tratava de técnicas de dissimulação; os egípcios antigos contavam com agentes para localizar tribos que poderiam ser conquistadas (1000 a.C).

Hoje, ela persiste em diferentes formas, mas sempre presente em nossa história. Então a conduta de uso e a informação pública parece ser o melhor caminho.

(*)Emerson Henrique da Silva é professor e coordenador do curso de Ciência da Computação na faculdade Anhanguera de Cascavel.


Para não se sujeitar a essa invasão e monitoramento, em primeiro lugar, prefira os serviços de cloud privado, onde suas informações não serão compartilhadas com nenhum órgão do governo ou parceiros, e preste muita atenção nos termos de uso e política de privacidade, pois esses “vazamentos” estão previstos nos serviços mais comuns.

Para fazer uma boa comunicação entre o seu negócio e sua VPC (Virtual Private Cloud/Nuvem Virtual Privada), utilize a solução de VPN da WatchGuard, que além de possuir alta disponibilidade, performance e segurança, agora conta com as opções de DLP (Data Loss Prevention).

Além disso, o backup desses dados é fundamental, e a SEP Software, com sua solução SEP Sesam, atende perfeitamente esse ambiente distribuído, tanto que possui um produto específico, o SEP Sesam Cloud Manager, que permite o armazenamento de backups em cloud.

A Netrunner Tecnologia comercializa, implanta e suporta toda a família XTM da WatchGuard, bem como toda a solução SEP Sesam.

Mais informações:

Fonte: Site Baguete

Gestão de Big Data no atendimento aos clientes.

12, agosto, 2013 Sem comentários
Por Fábio Elias(*)

A gestão do grande volume de dados gerados diariamente em múltiplos canais pode contribuir para ampliar a capacidade do setor financeiro de prover experiências consistentes e satisfatórias aos clientes, melhorando a qualidade de atendimento, produtos e serviços.

Analisar o Big Data é um desafio, mas como proteger esses dados ?

Analisar o Big Data é um desafio, mas como proteger esses dados ?

A tecnologia é hoje um diferencial estratégico para bancos, seguradoras, financeiras e outras empresas do setor de finanças. Isto porque elas têm de lidar no dia a dia com os impactos de fatores econômicos, a necessidade de atendimento a uma série de regulamentações e de conquista e fidelização de clientes, ao mesmo tempo em que brigam por margens apertadas de lucro em um mercado altamente competitivo.

Diante deste cenário, é fundamental que as instituições financeiras atuem em múltiplos canais e consigam se relacionar com seus clientes de maneira consistente, adequada e segura, conseguindo identificar diferentes perfis e antever tendências mercadológicas. Isto tudo administrando este cotidiano repleto de desafios, no qual são gerados milhares de dados provenientes das mais diversas fontes.

Gerir este gigantesco volume de informações estruturadas e não estruturadas, o chamado Big Data, é das mais árduas tarefas das áreas de TI na atualidade, especialmente devido a multiplicidade de canais de relacionamento e de vendas aos clientes.

Mas é simultaneamente uma grande oportunidade. A gestão do Big Data, integrando estes canais, pode gerar informações preciosas para a gestão dos negócios e, em especial, da carteira atual e futura de clientes.

As soluções tecnológicas para Big Data podem ser utilizadas para gerar insights com o armazenamento, cruzamento e análise de informações, oferecidas em relatórios sofisticados e adequados às necessidades de diferentes áreas de negócios.

É importante e recomendável que estas informações estejam orientadas à definição de estratégias para entrega de produtos e serviços mais coerentes com os diferentes perfis e expectativas dos clientes – sejam pessoas físicas ou jurídicas.

Nos últimos anos, os bancos, por exemplo, investiram na ampliação da infraestrutura de seus datacenters para aumentar a capacidade de armazenamento e de processamento, de modo a suprir as necessidades geradas pelo crescimento do número de transações, multiplicação dos canais, bem como pela difusão dos dispositivos móveis e das redes sociais.

Mas precisam investir mais em soluções integradas para incrementar a inteligência de negócios e as análises para melhor entendimento e atendimento das demandas do mercado em relação a seus produtos e serviços.

As seguradoras, por sua vez, têm investido em sistemas antifraude e soluções para auxiliá-las a tornar seus processos mais seguros, integrados e ágeis.

Mas ainda têm de buscar ferramentas mais eficazes para integrar as informações provenientes de seus sistemas com os canais de interlocução com os clientes, em especial as redes sociais, para tornar mais precisos os perfis de seus segurados, podendo oferecer novos produtos e serviços mais atraentes, assim como melhorar os controles de sinistros e as margens de lucro.

A gestão do Big Data inclui a integração de ferramentas importantes de armazenamento, processamento e análise, o que garante às companhias maior inteligência analítica para tomada de decisões, seja para aperfeiçoar os processos produtivos, administrativos e financeiros, as relações com os clientes em múltiplos canais ou a criação e execução de campanhas de marketing e de vendas mais eficazes e surpreendentes.

As instituições financeiras que ainda não estão aptas a lidar e analisar o crescente volume, variedade e velocidade de dados hoje certamente já estão sofrendo as consequências em termos de diferencial competitivo e terão de arcar com consequências em seus negócios. Separar o joio do trigo hoje não é uma questão bíblica é uma questão mercadológica.

(*)Fábio Elias é diretor de Arquitetura de Soluções de Tecnologia e Big Data da Oracle do Brasil.


A análise do Big Data pode ser um instrumento poderoso para alavancar um negócio, obtendo informações importantes e relevantes de dados aparentemente inúteis, mas que possuem uma massa imensa de dados desestruturados. Porém, devemos nos preocupar com 4 coisas essenciais:

  • Armazenamento dos dados desestruturados;
  • Análise dos dados;
  • Armazenamento dos dados estruturados e analisados;
  • Backup de tudo isso.

A Netrunner Tecnologia comercializa, implanta e suporta a solução de backup, restore, deduplicação e arquivamento da SEP Software, que além de atender diversos sistemas operacionais, aplicações e virtualizadores, possui a melhor performance do mercado.

Com seus algorítmos próprios de transferência de dados, consegue reduzir drasticamente o tempo de backup, bem como restore, isso é essencial para qualquer negócio, pois tempo parado é dinheiro perdido.

Mais informações: www.netrunner.com.br/parceiros_sep.aspx

Fonte: Site Baguete

Seagate lança nova linha de HDDs com capacidades até 4 TB.

21, maio, 2013 Sem comentários

Por mais que desejemos, o caminho dos SSDs até a popularização será longo e tortuoso, tanto pela limitação de espaço quanto pelos preços. Eu já estou utilizando SSD em meu notebook há 2 anos, o primeiro eu comprei aqui no Brasil e o upgrade eu importei, mesmo com impostos e frete valeu a pena. Não sou adepto dos HDs híbridos, assim como não acredito em óleo semi sintético nos automóveis.

Já quando o assunto é backup não tem jeito, ainda estaremos amarrados aos HDDs por um bom tempo, mesmo sabendo que  como tudo que possui peças internas e viola a Segunda Lei de Clarke, uma hora eles vão pedir arrego.

A Seagate sabe disso e anunciou uma nova linha de discos rígidos de 3,5″ com segurança na reprodução de dados melhorada, o que os torna ideais para set-top boxes, gravadores externos e nós, que teimamos em usar os HDDs de backup como pendrives.

A nova linha opera a 5.900 RPM e vem em várias capacidades: 250 GB, 320 GB, 500 GB, 1 TB, 2 TB, 3 TB e sim, finalmente 4 TB. Os modelos de 3 e 4 TB contam com uma conexão SATA de 6 Gb/s e serão atrelados à linha Barracuda, enquanto que os demais possuem SATA de 3 Gb/s e são da linha Pipeline. As velocidades de transferência também diferem: 180 MB/s nos modelos de 3 e 4 TB, 144 MB/s no de 2 TB e 159 MB/s no de 1 TB.

A Seagate garante que os discos podem funcionar continuamente 24/7, com uma taxa de falha de apenas 0,55% ao ano e que são bem silenciosos, gerando apenas 2,3 dB. Eu acho um tanto exagerado. Não obstante, diz que o modelo de 4 TB pode exibir 16 vídeos em HDD simultaneamente sem stress. Isso é algo que eu gostaria de ver.

A empresa também lançou um modelo de 2,5″ com 500 GB que promete reproduzir 12 vídeos HD ao mesmo tempo. Por enquanto não há informação de preços, acredito que o de 4 TB sairá bem caro, mas sinceramente? Ainda hoje vale o investimento.

Se sua empresa precisa de uma solução de backup, que utilize qualquer mídia e ainda possa enviar os backups para a nuvem, a Mirandell Sistemas comercializa o SEP Sesam que é a solução de backup da SEP Software, que atende aos seguintes sistemas operacionais:

  • Linux
  • Microsoft Windows
  • Novell/SUSE
  • Red Hat
  • UNIX
  • Apple
  • Open VMS
  • BSD
  • AIX

E possui plugins para backup das seguintes aplicações:

  • IBM Lotus Domino
  • Microsoft Exchange Server
  • Microsoft SharePoint
  • Novell Groupwise
  • Novell Vibe OnPrem
  • Open-Xchange
  • SAP
  • Scalix
  • Zarafa

Além de atender aos seguintes Bancos de dados:

  • IBM DB2
  • Informix
  • Ingres
  • Microsoft SQL Server
  • MySQL
  • Oracle
  • PostgreSQL

E finalmente atende aos virtualizadores mais utilizados no mercado:

  • VMware ESX/vSphere
  • Citrix XenServer
  • Microsoft Hyper-V

Além de tudo isso, a solução possui gerenciamento de tape libraries, deduplicação e archiving.

Para mais informações, acesse o site da Mirandell Sistemas.

Fonte: Meio Bit

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux