Página Inicial > DLP, Firewall > Consciência virtual cresce no Brasil.

Consciência virtual cresce no Brasil.

Por: Rodrigo Aron

Durante o quinto Congresso de Crimes Eletrônicos, realizado esta semana em São Paulo, foi divulgada a quinta edição da pesquisa ‘O comportamento dos usuários na internet’, elaborada e colocada em prática pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). No levantamento, foram escutadas mil pessoas da cidade de São Paulo e pôde-se constatar falta de confiança nos serviços prestados nos ambientes virtuais.

Estariam os usuários se conscientizando sobre comportamentos seguros?

Estariam os usuários se conscientizando sobre comportamentos seguros?

De acordo com o estudo, quase metade dos internautas, cerca de 48%, acreditam que informações pessoais são compartilhadas indevidamente sem nenhum espécie de autorização por entidades públicas e privadas. 72% dos respondentes não confiam no armazenamento de dados em sites. Segundo Renato Opice Blum, presidente do Conselho de TI da Fecomercio-SP, estes números revelam um amadurecimento da conscientização dos usuários brasileiros em relação à Segurança da Informação. Em contrapartida, quase 90% dos entrevistados desejam que informações como endereços IP, sejam guardadas pelos provedores.

Para o executivo e advogado, há a necessidade sim de armazenar os chamados metadados, hora e endereço de entrada na rede, mas ainda é preciso aprimorar a legislação nacional, a educação social digital e os meios de averiguação das informações. “Para satisfazer a todos, usuários físicos e empresas web, será imprescindível aumentar a proteção das redes e criar políticas efetivas de combate aos crimes eletrônicos”, afirma.

Quanto ao uso da tecnologia, a pesquisa registrou o consumo e utilização de dispositivos móveis no trabalho (BYOD), de aplicativos e formas de compra online como os impulsionadores, tanto da inovação como dos riscos cibernéticos. O BYOD já é realidade para 48% dos colaboradores nacionais, apontou o levantamento e 30% dos funcionários possuem algum dado corporativo confidencial no próprio device.

“A necessidade de assegurar as boas práticas de consumerização é enorme, tudo que podemos garantir, infelizmente, é que boa parte das informações contidas nos aparelhos pessoais vai vazar, só não sabemos quando nem como”, revela Renato Opice Blum. Já os aplicativos, 59% dos pesquisados disseram baixar os apps, mas 7% afirmaram que não sabem para o que servem os aplicativos colocados nos aparelhos móveis.

Em relação às compras online, cerca de 55% dos internautas realizaram consumo em plataformas de e-commerce em 2013, número menor do que em 2012, quando passava de 60%. “Entre os principais motivos para não consumir nos ambientes virtuais está o receio de fraude com 32%, falta de necessidade com 26% e carência de segurança nas ferramentas de pagamento com 16%”, argumenta o executivo. “O público quer consumir, mas falta proteção adequada”, completa.

Proteção in loco

Para se manterem protegidos, 65% dos entrevistados disseram possuir alguma ferramenta (software) de defesa, para evitar o roubo de senhas e dados pessoais. Mas, segundo o levantamento, quase 18% da população já sofreu algum crime digital, sendo mais comuns entre os homens, com 20%, do que com as mulheres, cerca de 15%. Dentre os delitos mais comuns estão a clonagem de cartões com 33%, o uso indevido de dados pessoais com 17%, fraudes de internet banking com pouco mais de 15%, estelionato chegando a 12%, clonagem de páginas eletrônicas com 7% e compras indevidas (utilizando dados roubados) com 4%.

Em 2012, a ação criminosa mais frequente era a não entrega dos produtos comprados, com 28% das reclamações judiciais. O que chama a atenção é a atitude dos usuários, na pesquisa de 2013, cerca de 31% dos pesquisados afirmaram que realizar o Boletim de Ocorrência é a melhor opção, contra 24% de 2012. “O conhecimento das normas e melhores práticas de proteção estão se difundindo com mais rapidez com o passar do tempo, esperamos que em um futuro próximo, a realidade seja de cada vez mais procura por parte dos cidadãos em relação ao direito cibernético”, diz Renato.

Para Rony Vainzof, vice-presidente do Conselho de TI da Fecomercio-SP, a sociedade está pronta para o debate quanto a responsabilidade civil na internet, mas falta o apoio de órgão reguladores, como o Marco Civil da Internet. “A esperança é termos no Brasil um documento capaz de facilitar e assegurar o entendimento do exercício online a todos os cidadãos e resolver pontos críticos da legislação nacional referente aos crimes eletrônicos”, finaliza Rony.


O compartilhamento de informações de usuários entre empresas, apesar de ser errada, é uma prática mais comum do que imaginamos, quantas e quantas vezes recebemos ligações de operadoras de telefonia móvel para trocarmos, e quando você começa a conversar com a atendente, ela tem todos os seus dados. É no mínimo estranho.

Em outros negócios, esse compartilhamento nem sempre é praticado de forma conivente, ou seja, um funcionário envia essas informações por e-mail, FTP, ou outros meios. Essa prática, apesar de ilegal, é passível de punição e processo, porém, a nossa justiça é tão lenta ao julgar qualquer assunto que levaríamos anos para ressarcir o nosso prejuízo.

Por este motivo, o “conselho de pai” é sempre bem vindo: “É melhor prevenir do que remediar”.

A Watchguard possui um módulo de DLP em toda a sua linha XTM e XTMv, que procura nas comunicações dos usuários por atitudes suspeitas, evitando assim que uma planilha de clientes, ou uma proposta de vendas sejam enviadas ao concorrente, ou até mesmo para uma caixa pessoal para utilização posterior. Além disso, as assinaturas de segurança da Watchguard, denominada Security Bundle, possuem funcionalidades excelentes para evitar os comportamentos nocivos dos usuários, que não são necessariamente são voluntários, mas que podem causar grandes prejuízos aos negócios.

A Netrunner Tecnologia comercializa, implanta e suporta toda a linha XTM e XTMv da Watchguard.

Mais informações: www.netrunner.com.br/parceiros_watchguard.aspx

Fonte: Site Risk Report

Categories: DLP, Firewall Tags: , ,
  1. Nenhum comentário ainda.
Você deve estar autenticado para enviar um coment´rio.
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux